A consolidação da ideia

A idéia da instituição começou a ser posta em prática em 27 de julho de 1999, quando houve uma primeira reunião na casa da atriz Nicette Bruno, onde estavam presentes a atriz Beth Goulart, a atriz/diretora Cininha de Paula, a advogada Andrea Francez e o engenheiro Luiz Murillo Tobias.

Nessa reunião, discutiu-se algumas ideias de finalidades institucionais e ficou definido que a instituição levaria o nome do cantor José Ricardo. Pois, além de artista, suas atitudes e a correção de suas ações sociais em vida expressavam grande parte do desejo da instituição. A idéia da Fundação então começou a se materializar e ficou decidido entre os cinco idealizadores (Nicette, Beth, Cininha, Andréa e Luiz Murillo) que Luiz Murillo Tobias ficaria responsável por estruturar a parte organizacional e transformar a ideia em realidade.

Em setembro de 1999 foi criado um livro de apoio que teve a assinatura de várias pessoas e nomes de expressão da nossa cultura. No bairro do Flamengo, Ruy Pereira Leite, Sylvio Nunes, e Nilton da Costa (foto) abrem espaço para implantação do `Espaço Mania Cultural´ – projeto-piloto que consolidou a idéia da Fundação. Mais de 3.000 pessoas e várias entidades, assinaram o livro de apoio e/ou participaram deste projeto inicial que contou ainda, com o apoio institucional da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, através da então secretária Vânia Bonelli.

Vários outros artistas e profissionais ligados à arte começaram a conhecer o projeto e apoiá-lo. Além dos citados, destacam-se nesta fase inicial: Agnaldo Timóteo, Emilinha Borba, Marlene da Silva, Luiz Otávio da Silva, Hercy Maria, José Ricardo Jr., Antônio José Linhares, Luiz Vieira, Célio Berrondo, Cleid Estefânia, Grupo da Paz, Paulinho Pereira, José Messias, Iterbio Galiano, Maria de Fátima Oliveira, Ana Maria Vital e Iracema Nascimento.